Videohisteroscopia Cirúrgica

A videohisteroscopia cirúrgica é muito semelhante ao exame realizado em consultório.

Neste caso, a internação e a anestesia são necessárias, já que é utilizado um endoscópio e outros instrumentais cirúrgicos no intuito de operar doenças previamente encontradas na videohisteroscopia diagnóstica.

Esta internação costuma ser de poucas horas, podendo ser realizada, na maioria das vezes, com uma sedação.

É um procedimento bastante rápido e preciso, que permite realizar a cirurgia sem necessidade de abertura do abdômen, como acontece nas cirurgias convencionais.

Através desta técnica podemos retirar pólipos, miomas, aderências, septos, restos placentários, DIU mal posicionado.

Podemos ainda retirar o endométrio, quando o mesmo é causa de menstruação muito abundante, e colocar DIU sob visão direta com melhores resultados e sem riscos de má colocação para as pacientes.

A endoscopia uterina (histeroscopia) serve, portanto, para realizar diagnóstico e, sobretudo tratar um grande número de doenças uterinas. Estes procedimentos estão baseados na mínima invasão significando menos agressão e traumas ao corpo feminino.