Menopausa

É o fim permanente das menstruações e, consequentemente, da fertilidade.

Os ovários param de funcionar, pois todas as células que produziam hormônios e óvulos, os folículos, se esgotam, o que ocorre por volta dos 50 anos.

No último século, a expectativa de vida do ser humano aumentou muito. Cerca de 95% das mulheres de países desenvolvidos atingem a menopausa e 50% delas ultrapassam 75 anos de idade.

O número de mulheres na menopausa vem crescendo muito com o aumento da expectativa de vida.

Por esta razão, os estudos em relação à menopausa têm ganhado importância nos últimos anos e o controle dos efeitos da menopausa vem se aprimorando, para oferecer uma boa qualidade de vida para estas mulheres.

A transição da vida reprodutiva para a não reprodutiva chama-se perimenopausa, que ocorre alguns anos antes da menopausa. Neste período surgem mudanças no padrão menstrual, as menstruações podem ser irregulares falhando por alguns meses, ou tendo aumentos ou diminuições nos ciclos. Concomitantemente, começam a experimentar sintomas como “fogachos”, que são ondas súbitas de calor, diminuição da lubrificação vaginal, podem surgir sintomas como cansaço, desânimo, irritação e insônia. Tudo isso ocorre devido à diminuição dos hormônios estrógenos, progesterona e testosterona.

Um estilo de vida saudável em termos nutricionais e atividade física rotineira deve ser adotado pela menopausada. Existe uma grande facilidade em se ganhar peso nesta fase, com todos os seus inconvenientes e consequências indesejáveis.

Sendo assim uma dieta saudável se impõe, os exercícios físicos aeróbicos (correr, andar, nadar, andar de bicicleta) são necessários para melhorar e manter a função cardiovascular. Os exercícios funcionais visam manter a massa muscular, a flexibilidade e o equilíbrio, que vamos perdendo à medida em que envelhecemos.

A terapia hormonal é de grande utilidade, mas só pode ser realizada em pacientes adequadamente avaliadas por um ginecologista