O papel da videolaparoscopia na preservação da fertilidade feminina

O papel da videolaparoscopia na preservação da fertilidade feminina

O aparelho reprodutor feminino é um sistema complexo que precisa funcionar de modo perfeito para que a gravidez ocorra naturalmente. Se por alguma razão qualquer órgão ou processo desse sistema for afetado, a função reprodutiva fica prejudicada. 

“Além da idade, as alterações hormonais e as doenças ginecológicas podem interferir na fertilidade da paciente”, afirma a Dra. Ana Maria Morato Gagliardi, ginecologista da Scope. Entre as doenças, costumam atrapalhar os planos de gravidez as que afetam útero, trompas e ovários. 

Os miomas uterinos, por exemplo, são tumores benignos que acometem mulheres em idade fértil e, dependendo do seu tamanho e localização, alteram o formato do útero e dificultam a implantação do embrião. Os ovários, por sua vez, podem ser afetados por cistos, que prejudicam a ovulação. 

Já entre as portadoras de endometriose, de 30% a 50% apresentam dificuldade para engravidar porque a doença, dependendo da área afetada, provoca aderências, deforma a anatomia de tubas e ovários e causa uma inflamação crônica que também compromete a implantação do embrião.  

Apesar de causarem apreensão nas pacientes, estas doenças ginecológicas não inviabilizam a gravidez de forma permanente, principalmente quando diagnosticadas precocemente. Isso porque, além de terapias medicamentosas, existem técnicas cirúrgicas modernas e minimamente invasivas que podem ser empregadas para tratar a alteração que está dificultando a fisiologia da reprodução.  

“Para as pacientes jovens e com um futuro reprodutivo pela frente, o objetivo é corrigir o problema e, ao mesmo tempo, preservar a fertilidade ou aumentar a chance de uma gestação natural”, afirma a Dra. Ana Maria. 

Neste sentido, a videolaparoscopia é uma técnica bem recomendada para as pacientes que desejam engravidar. “Por ser minimamente invasiva, a manipulação é mais delicada, as estruturas ressecam menos e há menos chance de haver aderências”, explica a ginecologista da Scope. Além disso, a cicatrização é mais rápida, assim como a recuperação no pós-operatório. 

O procedimento é realizado por meio de pequenas incisões no abdômen através das quais são inseridas pinças delicadas e uma microcâmera com emissor de luz. Com visão real da área operada, o cirurgião consegue alcançar estruturas de difícil acesso com muita precisão e segurança. 

A videolaparoscopia pode ser indicada para diversas patologias ginecológicas, desde a retirada de alguns tipos de miomas (miomectomia) até a remoção de lesões de endometriose e a desobstrução de trompas, ajudando na retomada da atividade normal dos órgãos e favorecendo a gravidez. 

Em relação aos endometriomas, que são tumores ovarianos associados à endometriose profunda, a indicação de intervenção cirúrgica exige avaliação ainda mais criteriosa porque leva em consideração o risco de comprometimento da reserva ovariana. 

Cada caso requer uma abordagem individualizada. A escolha do tratamento e/ou método cirúrgico mais adequado vai variar conforme a gravidade da doença, os sintomas apresentados pela paciente, além da sua idade e desejo reprodutivo. 

A dificuldade para engravidar deve ser investigada pelo ginecologista, sendo as consultas periódicas de fundamental importância para a detecção precoce de eventuais problemas. Todas as intervenções cirúrgicas devem ser executadas por profissionais treinados e experientes, como os que integram o corpo clínico da Scope.

A nossa clínica conta com especialistas em ginecologia endoscópica e atua no diagnóstico e tratamento de patologias ginecológicas através de técnicas modernas e minimamente invasivas. Entre em contato e agende a sua consulta online ou pelo telefone (11) 3849-1818.

0